27.9.12

P*


Continuo a gostar de me agarrar a um peluche durante a noite, de me sentar no colo do meu pai, de fazer birra deitada na cama de barriga para baixo a bater com os pés, de insufláveis, de correr, de me esconder. Não perdi nada disso, o que mantém em mim a esperança de que irei sempre ser criança. Cresci, mas não em altura. A minha cara mudou, no entanto tenho sempre este ar de menina do papá. I wish I could have it forever!

3 comentários:

V disse...

Não é à toa que dizem que temos sempre uma criança dentro de nós :) *

Janny disse...

e somos duas, menina do papá para sempre :)

Parede Escrita disse...

És o Peter Pan?! :)